Pular para o conteúdo principal

Dicas para Microsoft SQL Server LocalDB - Número 2 - Como restaurar backup

Pode ser que para alguns profissionais este foco que eu venho dando neste recurso do Microsoft SQL Server pareça um pouco exagerado, afinal, é um recurso bem simples e que não oferece muitas funcionalidades além daquelas já presentes nas edições EXPRESS com a desvantagem de que somente tem uso em aplicações locais já que sua conectividade pela rede é limitada.

Este fato é uma realidade e também é real outro fato: o de que é uma escolha a ser considerada por desenvolvedores de software e aplicações web e serviços de pequeno porte pois o seu uso apresenta algumas vantagens sendo que a primeira delas é que não necessita de um serviço sendo executado em segundo plano, deixando a máquina com recursos liberados. Para manipular os bancos de dados é usado um executável que fica em uma pasta do sistema dependendo da instalação, que no meu caso fica em "C:\Program Files\Microsoft SQL Server\120\LocalDB\Binn" para o SQL Server 2012.

Outro ponto interessante é você poder rodar bancos em versões diferentes (2008, 2012, 2014, etc.) sem precisar instalar estas versões completas. Cada uma delas possui um engine LocalDB independente.

Como foi colocado no post Conectando aplicações Desktop com Microsoft SQL Server LocalDB é possível conectar aplicações desenvolvidas com a plataforma .NET nestes bancos de uma maneira bem simples e direta.

Outra característica importante é a possibilidade de usar a ferramenta SQL Server Management Studio (SSMS) para trabalhar com as bases de dados usando o Local DB para isso só é necessário informar como endereço do servidor a string (localdb)\mssqllocaldb (se a sua versão for SQL Server 2012 ou mais recente).

Com isto todas as operações que são executadas com os bancos que usam o engine tradicional do SQL Server usando o SSMS também podem ser executadas com as bases usando localdb inclusive restauração de backups, ou seja, basta seguir os mesmos passos.

Em seguida, para restaurar um backup basta clicar no nó referente aos bancos de dados e escolher o comando de restauração de backups.

Se nas opções de restauração não for alterada a localização do banco restaurado, os arquivos do banco que forem restaurados irão ficar por padrão na pasta do usuário logado no Windows que fica geralmente em c:\usuários\.

Se estiver interessado neste recurso vale o lembrete que é possível instalar o SSMS stand alone tanto pelo instalador de qualquer versão do SQL Server como usando um arquivo só com esta ferramenta que pode ser encontrada aqui (versão 2012 para máquinas de 32 bits). Até o próximo post.

Postagens mais visitadas deste blog

Como gerar scripts para exportar dados no SQL Server 2008

Uma das tarefas mais comuns no trabalho com desenvolvimento de software que consome dados em bancos como o SQL Server 2008 é a necessidade de em algum momento precisarmos exportar os dados de um banco para outro. Quer seja para realizar testes ou fazer simulações existem várias maneiras de se fazer isto. Neste post eu quero demonstrar um recurso do SQL Server Management Studio (SSMS) que permite realizar esta tarefa rapidamente.Para os que estão acostumados a usar esta ferramenta, já devem saber que é possível gerar scripts para o schema e também transferir os dados entre dois bancos distintos. Isto pode ser feito se o SSMS puder conectar-se com as duas bases, de origem e destino. No exemplo que vou dar, o objetivo é gerar o script apenas para uma tabela do banco de dados de exemplo da Microsoft – Northwind.1. Iniciando o assistenteO assistente deve ser iniciado clicando com o botão direito do mouse sobre o banco onde se encontra a tabela a qual iremos gerar o script. Deve se clicar n…

Pivot dinâmico com SQL Server

Passo a passo para usar pivoteamento dinâmicoOs bancos de dados bem configurados e definidos armazenam os dados de forma a otimizar o acesso, evitando duplicidade e garantindo a integridade. Porém, em muitas situações isto pode dificultar a apresentação de forma adequada sendo necessário preparar os dados usando vários recursos entre os quais, fazer o pivoteamento.Se você não precisou ainda usar ou não sabe o que é consiste em transformar cada linha de uma determinada coluna em colunas de uma nova consulta.Assim, considere uma tabela que armazene as notas bimestrais de um boletim. Uma possível estrutura para esta tabela seria algo assim:ColunaTipo de dado/TamanhoDisciplinanvarchar(50)BimestreIntNotanumeric(5,2)Uma consulta select nesta tabela com alguns dados traria um resultado parecido com o abaixo:Porém pode ser que para apresentar estes dados em um relatório seja necessário transformar cada bimestre em uma coluna e agrupar as notas nestas colunas para que fique dessa forma:Isto po…

Desabilitando o auto commit no SSMS (SQL Server Management Studio)

(Ou, como prevenir desastres e manter o emprego a salvo…)Neste post vai uma pequena mas tremendamente útil dica para desabilitar o auto commit da aplicação SQL Server Management Studio (SSMS) que é usada por dez entre dez usuários do banco de dados SQL Server para fazer consultas, alterações e executar scripts no banco de dados. (Preferências à parte, realmente muita gente usa),A primeira e mais importante notícia é que, diferentemente da ferramenta do Oracle, este editor de scripts do SQL Server vem com o recurso de auto commit ativado por padrão, assim, qualquer instrução DML (alteração dos dados com update, insert e delete) ou DDL (alteração no banco como create, drop, alter, etc.) será imediatamente enviada ao banco e persistida.Isto pode ser altamente crítico pois se estiver executando as instruções em um banco de dados de produção não haverá muitas formas de desfazer se é que haverá.Inicialmente, pode se evitar muitos acidades executando estas instruções dentro de um bloco BEGIN…